Institucional

Nosso Instituto é, por natureza, um instituto apostólico. Assim sendo, de bom grado, nos colocamos a serviço da Igreja nas mais diversas tarefas pastorais.

Embora não tenha sido fundado em vista de uma obra determinada, o Instituto recebeu do Fundador certas orientações apostólicas, que caracterizam sua missão na Igreja.

Para Padre Dehon, fazem parte dessa missão a adoração eucarística, em espírito de amor e de oblação, como autêntico serviço de Igreja (cf. NQ, 01.03.1893), “e o ministério junto aos pequenos e humildes, os operários e os pobres” (cf. Souvenirs XV), para “anunciar-lhes as insondáveis riquezas de Cristo” (cf. Ef 3,8).

Em vista desse ministério, Padre Dehon dá grande importância à formação dos padres e dos religiosos.
A atividade missionária constitui para ele uma forma privilegiada de serviço apostólico.
Em tudo isso, sua preocupação constante é que a comunidade humana, santificada pelo Espírito Santo, torne-se uma oferta agradável a Deus (cf.Rm 15,16).

Na década de 80, começou a surgir na antiga Província Brasil Meridional certa inquietação em relação à sua estrutura e ao seu funcionamento: dificuldade de governar e animar Província tão extensa e tão numerosa. Daí, o desejo de criar duas novas Províncias. Realizaram estudos, pesquisas entre os religiosos, debates em assembléias e capítulos, pertinentes à questão. No Capítulo Provincial Extraordinário de julho de 1993, votou-se pela criação de uma nova Província; como não houvesse, porém, os 2/3 dos votos exigidos, os capitulares optaram por duas Regiões: uma que englobaria o território do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e da Grande Curitiba; a outra que compreenderia o território de Minas Gerais. Mas o Governo Geral aprovou a criação de uma só Região: a RBM, que foi ereta, oficialmente, aos 12 de outubro de 1994.
Em 2003 a região foi desmembrada e tornou-se a Província Brasileira Meridional, da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus.