Dehonianos
Artigos
23.Fev - P. Albert Bourgeois, scj – o segundo fundador da Congregação
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
P. Albert Bourgeois, scj – o segundo fundador da Congregação

O Padre Albert Bourgeois foi o sexto Superior Geral da Congregação, de 1967 a 1979. Depois de vários superiores, conhecidos como grandes organizadores, em parte devido ao forte crescimento da Congregação entre as duas guerras mundiais, surgiu a figura do Padre Albert Bourgeois, quase como um descanso e um crescimento em profundidade.


Nascido a 30 de janeiro de 1921, em Jandelaincourt, perto de Nancy (França), tinha sete anos de idade quando seu pai morreu, e apenas três anos depois perdeu sua mãe. Uma criança que conheceu muito cedo o sofrimento e as dificuldades de uma família pobre da classe trabalhadora. Em 1931, aos 10 anos de idade, foi aceito no Saint Clement Institute, uma escola apostólica fundada por Padre Dehon em 1882, em La Fayet, perto de Saint Quentin, e depois transferida para Viry Chatillon, na região de Paris. Aí ele decidiu entrar na Congregação. Após sua primeira profissão, estudou filosofia e teologia em Dijon e Lyon, e foi ordenado sacerdote a 6 de julho de 1947. Depois de estudar literatura, se dedicou inteiramente à educação e à formação dehoniana como professor e, depois, como reitor do seminário. Em 1960 ele se tornou superior da província francesa e em 8 de junho de 1967 foi eleito Superior Geral.


Depois de figuras como o Padre Govaert, como bom organizador holandês, a congregação precisava crescer em profundidade e não tanto em número e organização. Padre Albert foi como um segundo fundador, que fez com que a congregação crescesse em sua espiritualidade e reflexão. Isto não é para diminuir o trabalho e o zelo apostólico de seus predecessores. Desde que Padre Dehon teve que deixar a França em 1902 e estabelecer-se em Bruxelas, a congregação se estendeu a mais de 30 países. Os padres Philippe, Govaart, Lellig e de Palma espalharam a congregação por todo o mundo, crescendo enormemente em números e províncias. Somente a Holanda deu mais de 600 missionários à Congregação. Tinha chegado o momento de crescer em profundidade, não tanto em número. Bourgeois foi como um segundo fundador, um homem que procurou aprofundar nossa espiritualidade, especialmente com a contribuição do Concílio Vaticano II, uma tarefa proposta pelo próprio Sumo Pontífice. Isto não é para passar por cima do trabalho de nossos antecessores, mas para retomar o legado espiritual de Padre Dehon no tempo de hoje.


Em seu discurso de encerramento do 15º Capítulo Geral, ele afirmou sua fé na vitalidade da Congregação, que é chamada a dar testemunho de um amor verdadeiro e consistente na Igreja. Ele disse: “A porta para o mistério da Igreja para nós, como para Padre Dehon, é o Coração de Jesus. Se, depois do Vaticano II, talvez tenhamos uma concepção mais clara e ampla da dimensão deste mistério do que Padre Dehon poderia ter tido depois do Vaticano I, trata-se do mesmo movimento dinâmico que nos conduz do Coração de Jesus à Igreja e nos traz continuamente da Igreja para uma melhor apreciação do chamado que Cristo nos dirige”.


Conheci pessoalmente o Pe. Bourgeois em 1968, quando ele nos visitou na paróquia de Fátima, em San Bernardo, aqui no Chile, junto com o Padre Ruttens, procurador das missões. Ele era um homem simples, um pouco tímido, à primeira vista “um pequeno padre da minha aldeia”, como o conhecemos no Chile.


Dentro do mandato do Concílio Vaticano II, o Padre Bourgeois nos apresentou a renovação da Igreja e o progresso do Concílio e nos acompanhou na renovação da vida religiosa e de nossa espiritualidade. Como bom francês, ele foi capaz de sondar a espiritualidade e o carisma de Dehon e ele o atualizou para o nosso tempo e circunstâncias. Ele colocou nossa congregação e sua herança em nossos tempos pós-conciliares. Textos como a Regra de Vida SCJ são exemplos de um trabalho profundo e renovador em linhas conciliares. Após a conclusão de seu mandato, o Padre Bourgeois permaneceu em Roma. Ele continuou a cooperar com sua preciosa colaboração para a atualização da vida dehoniana e tornou-se ainda mais comprometido com o estudo dos escritos e do carisma de Padre Dehon.


Se hoje gostaríamos de propor Padre Bourgeois como exemplo e inspiração para as novas gerações, seria bom tornar seus escritos e obras conhecidos como uma contribuição para o patrimônio de nossa Congregação. Sua vida de simplicidade é um bom exemplo, como o homem de Nazaré, que veio não para ser servido, mas para servir.


Fonte: Hernan Leemrijse, scj

Indique a um amigo
 

Copyright © 2022 Dehonianos. Todos os direitos reservados.