Dehonianos
Notícias da Igreja
 
A solidariedade do Papa ao povo do Marrocos: estamos próximos neste trágico momento
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
A solidariedade do Papa ao povo do Marrocos: estamos próximos neste trágico momento

Alessandro Di Bussolo - Vatican News





“Queridos irmãos e irmãs, gostaria de expressar a minha proximidade ao querido povo do Marrocos, atingido por um terremoto devastador. Rezo pelos feridos, por aqueles que perderam a vida - tantos! - e por seus familiares. Agradeço aos socorristas e a todos os que estão trabalhando para aliviar o sofrimento das pessoas; que a ajuda concreta de todos possa apoiar a população neste momento trágico: estamos próximos ao povo do Marrocos!”





A manifestação de solidariedade do Papa veio após a oração mariana do Angelus neste domingo (10), dois dias depois do violento terremoto registrado na noite de sexta-feira (8) naquele país ao norte da África. O último balanço das vítimas, divulgado no início da manhã deste domingo (10), confirmava que mais de 2 mil pessoas perderam a vida, são também mais de 2 mil os feridos, 1.400 deles em estado grave.


Corrida contra o tempo para salvar as pessoas sob os escombros


E é uma corrida contra o tempo para tentar salvar as vidas presas nos escombros. "As próximas 24 a 48 horas serão críticas", lembrou Caroline Holt, diretora de operações da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha. "Os esforços de busca e resgate terão prioridade, é claro, além de garantir que as pessoas que sabemos que são sobreviventes sejam assistidas."


A situação é crítica nas áreas rurais do epicentro do terremoto, onde muitas casas, construídas com tijolos de barro, desabaram, e as estradas de acesso aos vilarejos ainda permanecem inacessíveis. De acordo com o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), mais de 300 mil pessoas em Marrakech e arredores estão precisando de ajuda, enfatizando que está "monitorando de perto a situação e está pronta para fornecer apoio". A ONU havia dito anteriormente que estava pronta para "ajudar o governo do Marrocos em seus esforços para ajudar a população afetada".


O epicentro a 70 quilômetros de Marrakech


O epicentro do tremor devastador daqueles 30 segundos dramáticos da sexta-feira, 8 de setembro, às 23h11, horário local, foi localizado a 70 quilômetros de Marrakech, a uma profundidade de 10 quilômetros. A magnitude registrada foi de 6,8 na escala Richter, que abalou a região de Marrakech, no Marrocos. É o terremoto mais grave em termos de intensidade na história do país. Devido ao desmoronamento, as equipes de resgate tiveram muita dificuldade para chegar às áreas mais afetadas, especialmente nas áreas montanhosas.


O tremor da sexta-feira 8 foi sentido em todo o Marrocos


Em Marrakech, as muralhas erguidas em 1120 para defender a cidade de ataques de tribos berberes foram danificadas. Na famosa Praça Jamaa el Fna, o minarete de uma pequena mesquita desabou e várias rachaduras apareceram na torre do sino da igreja católica no distrito de Gueliz. Também houve danos extensos em outras partes do país. O tremor foi sentido em toda a cordilheira do Atlas, em Merzouga, uma das portas do deserto, mas também nas cidades litorâneas de Essaouira e Agadir, de frente para o Oceano Atlântico, na área centro-sul de Ouarzazate e do outro lado da cordilheira em Casablanca, até Rabat.


Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.