Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Acolhimento dos autistas na Igreja
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Acolhimento dos autistas na Igreja

Padre Lício de Araújo Vale- Diocese de São Miguel Paulista


“Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância.” (Jo 10,10).


Em março de 2020, o Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC), nos Estados Unidos, lançou um documento que atualizava a prevalência do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Um ano e nove meses depois, já temos uma mudança de cenário. Cresce cada vez mais o número de diagnósticos de TEA.


Publicado em 2 de dezembro de 2021, o mais recente relatório do CDC mostra que 1 em cada 44 crianças aos 8 anos de idade, em 11 estados norte-americanos, é diagnosticada autista, segundo dados coletados no ano de 2018. O texto original do estudo, em inglês, está disponível no site do CDC www.cdc.gov .


O que é Autismo?


A palavra “Ausmo” é de origem grega “autos” e significa “por si mesmo”.


É um termo usado dentro da Psiquiatria para denominar comportamentos humanos que se centralizam em si mesmos, voltados para o próprio indivíduo.


Segundo AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION, o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é caracterizado por alterações qualitativas nas seguintes áreas:


Habilidades de interação social


Dificuldades de comunicação


Engajamento em comportamentos repetitivos e estereotipados.


"A Síndrome pode afetar crianças de qualquer raça ou cultura e a expressão dos sintomas pode variar de leve a severo através dessas três áreas fundamentais. É um transtorno invasivo do desenvolvimento que persiste por toda vida, incurável e, não possui causas conhecidas, porém terapias que trabalham na redução dos comportamentos indesejados têm sido frutíferas e aberto caminho para convivência social do portador." ( OMS 2014)


No Brasil, não existe uma estimativa epidemiológica oficial (BRASIL, 2013), mas o número de brasileiros afetados pelo autismo também vem aumentando; em parte pelo maior acesso às informações sobre o transtorno e às ferramentas de identificação precoce ligadas ao desenvolvimento tecnológico que permite estudos mais avançados do cérebro humano.


Dificuldades na Inclusão


Devido à dificuldade de comunicação, o autista, geralmente dependendo do nível, pode apresentar, segundo Encarte da Academia do Autismo:


.comportamento agressivo


.falta de contato visual com outras pessoas


.irritabilidade


.repetição de palavras (sem que haja um sentido)


.aversão ao som alto


.imitação involuntária de movimentos


.hiperatividade


.dificuldade de aprendizagem


.dificuldade em lidar com mudança (de planos, de casa, de horários, de escola, etc.)


.atraso na capacidade da fala


.manifestação de emoções extremas (em ocasiões onde não deveriam acontecer)


.perda da fala


.falta de atenção


.interesse intenso em coisas específicas


.depressão


.falta de empatia


.ansiedade


.tiques


.manias nervosas


Assim fica claro como num ambiente formal como um templo religioso, onde sons são a grande tônica, cumprimentos, abraços e interação social, incluir um autista requer preparo e uso das técnicas eficazes.


Claro que, aparelhos como fones resolveriam em parte o problema da sonorização incomodante, mas incluir pessoas especiais não pode fugir a um rigoroso processo de aceitação, conscientização e adaptação de toda comunidade eclesial.


Por que incluir?


A Declaração de Salamanca, que é considerada um marco no que diz respeito a universalização dos direitos à inclusão, ocorrida na Espanha (Cidade da Salamanca/1994) é um documento da ONU (Organização das Nações Unidas) de 1994 representado por 88 governos e 25 instituições, em que descreve sobre  “Regras Padrões sobre Equalização de Oportunidades para Pessoas com Deficiências”, e institui que os “Estados assegurem que a educação de pessoas com deficiências seja parte integrante do sistema educacional.”


Ora, a igreja como instituição divina e humana não deve abrir mão de incluir os Autistas, considerando o exemplo do seu  Fundador que: Chamou para o meio um deficiente físico/ Marcos 3,1-5, deu esperança a uma mulher corcunda deficiente física / Lucas 13,10-17 e o que dizer da vida nova dada a um excluído de sua família, da sua cidade, condenado  por mal milenar chamado lepra e este também excluído e vilipendiado por qualquer judeu por ser samaritano  (deficiência contagiosa e cultural). O que dizer dos cegos, surdos-mudos, endemoniados, paralíticos.


Só o fato de sermos no mundo discipulos e missionários de Jesus Cristo deve levar o nosso coração transcender e refletir sobre os autistas:


No plano espiritual: Tem uma alma. São pessoas humanas, nossos irmãos.


No plano mental:  Lembrar que ele precisa crescer num ambiente o mais saudável possível.


No plano físico:  Apesar das dificuldades com o “toque” precisa sentir o amor que o compreende além do contato físico; o amor que se revela na compreensão de suas limitações e habilidades.


Quais são os graus do autismo?


"Em relação à interação e comunicação social, o espectro autista pode ter a seguinte classificação:


Grau 1: o paciente consegue se comunicar sem suporte, mas nota-se uma dificuldade em iniciar interações sociais, um interesse reduzido nessas interações, respostas atípicas a aberturas sociais e tentativas frustradas de fazer amigos.


Grau 2: o paciente precisa de suporte, apresentando maior dificuldade tanto na comunicação verbal quanto não verbal, além de déficits aparentes na interação social.


Grau 3: o paciente precisa de apoio muito substancial e quase não tem habilidade de comunicação, apresentando fala ininteligível ou de poucas palavras e respostas sociais mínimas." ( Ministério da Saúde 2005).


A profecia como mística de acolhimento


O trabalho de acolhimento e  inclusão do autista na comunidade de fé é, portanto,  desafiador,  mas não impossível. É um  trabalho profético, no sentido que denuncia o pecado – ruptura com Deus que faz a desorganização de tudo. Na Bíblia vemos que o profeta tem a experiência do empobrecimento e a doença do povo e tem impulso para gritar. A preocupação de Deus e dos profetas é muito concreta: terra, povo, família, bênção, condições do povo para viver.


Os profetas apontam três caminhos de conversão (mudança):


– Justiça – é quando tudo está no lugar que Deus quer. Então, é preciso combater as causas da falta de saúde, isto é, as estruturas injustas (organização do poder), além de combater o preconceito, desmistificando os pré-conceitos e esteriótipos que, ao longo do tempo, vamos formulando em relação a um determinado tema.


– Solidariedade – pôr na frente o ideal que se quer. A comunidade deve ser sinal daquilo que Deus quer.


– Mística – não neutralizar o grito do pobre. O profeta é peregrino, sinal da  inspiração de Deus que, nos momentos difíceis, nos ensina a relermos a história e, dessa maneira, projetar o futuro.


Os três caminhos estão ligados entre si, e um não é completo sem o outro, embora cada um ressalte um aspecto particular. Vejamos:


– Justiça sem solidariedade e sem mística desumaniza o trabalho de evangelização.


– Solidariedade sem justiça e mística é assistencialismo.


– Mística sem solidariedade e sem justiça ofende o povo, revela um Deus que não se importa com seu povo. É alienação.


Como acolher?


O acolhimento começa na casa, na igreja doméstica


Todo autista tem direito de ser acolhido por sua família que deve ser fortalecida, instruída e instrumentalizada para defender os direitos humanos das pessoas com autismo, possibilitando seu pleno desenvolvimento e a inclusão na sociedade e na igreja.


Não se perde direitos por ser autista. Crianças, jovens e adultos com autismo gozam dos mesmo direitos e dignidade que as demais pessoas. Sendo que, se necessário, devem ser garantidos os apoios e adaptações razoáveis para o exercício desses direitos.


Profissionais reconhecem o papel crucial da família para o desenvolvimento das pessoas autistas e que isso pode ser determinante no enfrentamento das barreiras impostas pela sociedade.


Mesmo assim, é frequente que lhes falte apoio e orientação. É comum ainda que as famílias assimilem preconceitos e concepções equivocadas acerca do autismo e da deficiência que permeiam o meio social, o que pode se constituir num componente reforçador de estigmas e das barreiras que levam à exclusão e segregação.


Apoio e orientação aos familiares, portanto, é fundamental para que elas possam bem desempenhar o papel de defender os direitos e promover o desenvolvimento das pessoas com autismo de maneira inclusiva.


As famílias, quando conscientes do seu papel, apoiam a inclusão e empoderam as pessoas com autismo em todos os aspectos da vida para que participem cada vez mais na sociedade.


Como deve ser o acolhimento do autista na Igreja?


É importante que a Comunidade se prepare para receber o autista. A criação e a consolidação da Pastoral da Acolhida é fundamental para ações específicas de acolhimento e inclusão  e de formação. O diálogo e a parceria com a família do autista é um dos primeiros passos deste acolhimento. É importante saber como e o que pode ser feito para que o acolhimento aconteça nos espaços da igreja. A presença de pessoa autista na comunidade exige algumas adaptações nos espaços e ambientes da igreja, por exemplo, adaptação do volume dos microfones, instrumentos, já que o ambiente visual e sonoro muito poluído pode desestabilizar o autista.  É importante ter um olhar acolhedor também para as familias. A grande maioria delas não se sentem confortáveis e acolhidas, e a igreja ainda tem muitas dificuldades para acolher.


Sinais de esperança


A reflexão e o enfoque integral que vêm sendo dados à saúde como qualidade de vida, bem-estar integral e direito fundamental de toda pessoa evidenciam as condições essenciais para o desenvolvimento pessoal e comunitário.


O surgimento de numerosas organizações populares que trabalham com o cuidado, a defesa e a promoção da vida em áreas rurais e urbanas.


O Surgimento de várias Associações de pais e mães que lutam pelos direitos e pela inclusão dos autistas,  como por exemplo,  a TRIA  (Associação de Amparo ao Autista), que nasceu na Paróquia Sagrada Família de Vila Praia, Setor Pastoral Ponte Rasa, na  Diocese de São Miguel Paulista, a partir de reuniões com familias de autistas.


No âmbito da Igreja, há um despertar de iniciativas e trabalhos organizados para promover a evangelização de crianças autistas e suas familias no âmbito da iniciação à vida cristã,  como também ,uma compreensão maior do que deve ser a pastoral da acolhida, a humanização dos serviços de saúde, das estruturas e das instituições hospitalares e educativas, fomentando a formação, a capacitação e a atualização dos profissionais da saúde em nível humano, ético e bioético.


Também nos deixa plenos de esperança o surgimento de grupos de pastoral da saúde, de organizações populares de saúde comunitária que formulam propostas no âmbito das políticas públicas de saúde como condição indispensável para melhorar as condições de vida dos cidadãos, sobretudo dos autistas.


A presença evangelizadora da Igreja por meio de numerosos leigos comprometidos, profissionais de saúde, sacerdotes, religiosos (as), que promovem, animam e apoiam essas iniciativas (cf. Documento de Aparecida, n. 419).


Numerosas conferências episcopais valorizam a Pastoral da Saúde e estão comprometidas em organizá-la e estruturá-la no âmbito de uma pastoral orgânica.





Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.