Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Amizade: o pressuposto fundamental de uma Igreja sinodal
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Amizade: o pressuposto fundamental de uma Igreja sinodal

Padre Modino – Arquidiocese de Manaus


Em uma Igreja formada por homens e mulheres, somos chamados a refletir sobre os sentimentos humanos a fim de compreendê-la. Um dos sentimentos mais fortes em nossa vida, que todos nós já experimentamos em momentos diferentes e com pessoas diferentes, é o da amizade, que podemos considerar um pressuposto fundamental em uma Igreja sinodal.


Amizade para o fluxo do discernimento


Na véspera da primeira sessão da Assembleia Sinodal do Sínodo sobre Sinodalidade, ter esses sentimentos de amizade pode ser decisivo para que o processo de discernimento flua. A amizade é um sentimento que nos aproxima dos outros, que me faz olhar para eles com outros olhos, que gera empatia, uma atitude que não pode ser negligenciada em uma sociedade, também em uma Igreja, que está dividida.


Os membros do Sínodo estão sendo desafiados a orar sobre isso, para que essa amizade possa gerar sentimentos de unidade, condição necessária para caminharmos juntos, para sermos uma Igreja sinodal. Sentimentos que devem estar acima de pensamentos e posições diferentes, pois para ser amigo não é essencial pensar tudo da mesma forma. Mas é verdade que, com bons amigos, é mais fácil chegar a um terreno comum que nos permita continuar avançando juntos, sentindo sua presença como algo que nos enriquece.


Uma presença que cura


Na Igreja, essa amizade se traduz em comunhão, um dos elementos presentes neste Sínodo, uma comunhão que nos remete a Deus, mas também aos outros, aos amigos, como uma presença que nos cura, que nos dá a mão na dificuldade, que nos ajuda a entender o que, a princípio, é difícil para nós, que nos dá a possibilidade de tecer redes comuns.


No final das contas, aqueles que participam da Assembleia Sinodal o fazem em representação da Igreja que lhes confiou essa missão. Seja de uma conferência episcopal, seja de uma das sete regiões em que o Sínodo foi dividido para a etapa continental, seja por delegação do Papa Francisco, que convocou aqueles cuja presença ele considerou necessária, incluindo pessoas que pensam de forma diferente, mas que ele não considera inimigas.


Um Sínodo que deve ser uma forma de tornar realidade o que muitos consideram "amizades impossíveis". A sinodalidade deve ser um instrumento que possibilite o encontro com aqueles com quem a escuta, o diálogo e o discernimento em comum levam à descoberta de riquezas interiores que nossos simples sentimentos humanos não nos permitiram perceber. O grande desafio é entrar na dinâmica do "nós" e, para isso, é necessário concretizar aquela amizade que alimenta nossa vida, que nos ajuda a superar nossas dúvidas juntos e a dar passos adiante juntos, entre nós e com o Deus que, em Jesus, se torna nosso melhor amigo.


Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.