Dehonianos
Notícias da Igreja
 
As imagens que narram o Tríduo Pascal
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
As imagens que narram o Tríduo Pascal

Maria Milvia Morciano - Cidade do Vaticano


A tarde da Quinta-feira Santa marca o fim da Quaresma e o início do Tríduo Pascal, o tempo central do ano litúrgico que, por sua vez, terminará com as Vésperas do Domingo da Ressurreição. As celebrações que se sucedem durante esses dias estão ligadas entre si como se estivessem em um fluxo contínuo, como uma celebração concatenada. Tudo isso se reflete na liturgia: no final da missa em Coena Domini na quinta-feira santa, de fato, a assembléia se dissolve em silêncio e não se fecha com as palavras canônicas ite missa est, porque, precisamente, os ritos continuarão no dia seguinte.


As iconografias cristãs mais importantes pertencem ao Tríduo Pascal


A arte reflete fielmente a liturgia desses dias e mostra aos crentes o Mistério na forma de imagens e narrativa. Imagens que se tornaram indelével e reconhecidamente fixas e que encontramos nas obras de arte de ontem e de hoje, na grande arte como na arte menor, nas grandes basílicas como nas pequenas paróquias. Os episódios do tríduo pascal estão agrupados em ciclos pictóricos ou esculturais, mas também podem viver como imagens isoladas e isoladas, tão fortes é seu poder evocativo, tão fundamental é seu simbolismo. Antes de tudo, o da crucificação.


As imagens da Quinta-feira Santa


Na quinta-feira santa, a primeira imagem que aparece é a Última Ceia, recordando a instituição do sacramento da Eucaristia. Os doze apóstolos são retratados ao lado de Cristo, sentados ao redor da mesa mais ou menos posta. Cada apóstolo é reconhecido por certas características somáticas ou pela idade e acaba ocupando um assento fixo, conforme lhe é atribuído. João repousa sua cabeça sobre o ombro de Jesus, enquanto Judas é freqüentemente retratado por trás, escuro e endurecido por sua traição. De todas as obras, a de Leonardo, no cenáculo das Graças em Milão, é certamente a mais famosa, mas há tantos artistas que se apoiaram nesta iconografia central da fé cristã.


Também na Quinta-feira Santa é retratado um episódio imediatamente sucessivo à Última Ceia, e esta é a lavagem dos pés, uma iconografia difundida especialmente nos séculos XIV e XV. Tomemos, por exemplo, aquela pintada por Giotto no ciclo das Histórias da Paixão de Jesus na Capela Scrovegni em Pádua, que parece, em seus gestos e olhares, descrever a história dos Evangelhos em grandes detalhes.


E novamente a oração no Getsêmani, o beijo de Judas, Cristo diante de Pilatos, uma iconografia, esta última, adotada sobretudo por artistas modernos que viram no prefeito da Judéia a projeção do homem contemporâneo e seu ceticismo. Aqui estamos mostrando acima de tudo o ciclo das Paixões pintadas por Giotto no Scrovegni para mostrar a coerência narrativa e o fio que os une e não apenas estilístico ou histórico. A beleza destes afrescos é inigualável, mas é também exemplar porque, no final, sua iconografia, tão clássica, é a mesma que vemos repetida com maior facilidade na arte e especialmente nas pinturas devocionais da Via Sacra em todos os tempos e em todas as igrejas.


A sexta-feira da Via Sacra


O Cristo que carrega a cruz para o Calvário é uma iconografia muito difundida, especialmente desde o final da Idade Média, quando os franciscanos introduziram a devoção das Estações da Cruz. Pseudo-Bonaventura e Santa Bridget reconstruíram as estações místicas que foram encenadas em representações sagradas, ou 'quadros vivos' reproduzidos mais tarde por artistas. A cena é construída em torno da figura de Cristo caída de joelhos, exausta, em torno da qual estão soldados zombando dele e Simão de Cirene, mencionado nos Evangelhos (Mc 15,21; Lc 23,26), que o havia ajudado a carregar a cruz.


O olhar de Cristo


Entre as imagens "conclusivas", isto é, independentes dos ciclos concatenados de histórias e isoladas em seu poder evocativo, além do Cristo Crucificado, é claro, estão Cristo na Coluna (Mt 27,26; Mc 15,15) e o Ecce Homo (Mt 27-31; Mc 15,17-20; Lc 23,11-12; Jo 19,1-5), o Portacruz (Mc 15,21; Lc 23,26) e o Vir Dolorum (Is 53,3-5). Cristo está isolado, em primeiro plano, gotejando lágrimas de sangue. Ele é coroado com espinhos, carrega um cetro de cana e tem um manto vermelho jogado sobre seus ombros, às vezes um laço ao redor de seu pescoço. Mais freqüentemente ele olha para aqueles que estão olhando para ele: nós espectadores nos sentimos questionados por aqueles olhos tristes. Estas iconografias, que são muito semelhantes umas às outras, a ponto de, às vezes, se confundirem, têm sido difundidas desde o Humanismo e, depois, na Renascença. Elas colocam o homem no centro, muitas vezes na metade do comprimento, preenchendo todo o espaço pictórico com um fundo escuro. Estas imagens se difundiram na pintura flamenga e entre os artistas que se inspiraram nela, como Antonello de Messina, que pintou uma série admirável delas.


Finalmente, típica da Sexta-feira Santa é a imagem da deposição da Cruz e finalmente a Pietà: a Mãe embalando seu Filho morto. Uma imagem de pesar que se resume na célebre obra de Michelangelo na Basílica de São Pedro.


Finalmente, típica da Sexta-feira Santa é a imagem da deposição da Cruz e finalmente a Pietà: a Mãe embalando seu Filho morto. Uma imagem de pesar que se resume na célebre obra de Michelangelo na Basílica de São Pedro.











Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.