Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Francisco: filhos que nascem são esperança em um mundo egoísta
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Francisco: filhos que nascem são esperança em um mundo egoísta

O Papa Francisco participou, na manhã desta sexta-feira (10/05), no Auditório da Conciliação, em Roma, da 4ª edição dos Estados Gerais da Natalidade, um evento promovido pelo Fórum das Associações Familiares e que visa sensibilizar o público sobre os problemas ligados ao declínio da natalidade e às relativas desejáveis ​soluções. 


"Estou feliz por estar com vocês novamente porque, como sabem, o tema da natalidade está muito próximo do meu coração", introduziu o Pontífice em seu discurso, ressaltando que "os filhos são dons que recebemos, e isso nos faz lembrar que Deus tem fé na humanidade". E ao refletir sobre o lema do evento: "Estar presente, mais juventude, mais futuro", Francisco enfatizou a importância de trabalhar juntos para promover a taxa de natalidade com "realismo, clarividência e coragem", três palavras-chave que ele refletiu com os participantes.


 


A vida é uma dádiva de Deus


Segundo o Papa, a palavra realismo, nos recorda que, no passado alguns estudos e teorias alertavam sobre o número de habitantes da Terra, pois o nascimento de muitas crianças criaria desequilíbrios econômicos, falta de recursos e poluição:


 


"Sempre me chamou a atenção o fato de que essas teses, já ultrapassadas, falavam dos seres humanos como se fossem problemas. Mas a vida humana não é um problema, é uma dádiva. E na raiz da poluição e da fome no mundo não estão as crianças que nascem, mas as escolhas daqueles que só pensam em si mesmos, o delírio de um materialismo desenfreado, cego e desmedido, de um consumismo que, como um vírus maligno, mina a existência das pessoas e da sociedade pela raiz."


 


Egoísmo e consumismo


Ao denunciar o egoísmo presente no coração de tantas pessoas, o Papa sublinhou que "o problema não é quantos de nós há no mundo, mas que tipo de mundo estamos construindo; não são as crianças, mas o egoísmo, que cria injustiças e estruturas de pecado, a ponto de tecer interdependências doentias entre sistemas sociais, econômicos e políticos". Os lares, observou Francisco, "estão cheios de objetos e vazios de crianças, tornando-se lugares muito tristes. Não faltam cachorrinhos, gatos...O que está faltando são crianças", e completou:


 


"O problema do nosso mundo não é o nascimento de crianças: é o egoísmo, o consumismo e o individualismo, que tornam as pessoas fartas, solitárias e infelizes."


 


Sem crianças, não há futuro


O número de nascimentos é o primeiro indicador da esperança de um povo, "sem crianças e jovens, um país perde seu desejo de futuro", afirmou o Santo Padre, que falou diretamente sobre a realidade da Itália, onde a idade média é atualmente de 47 anos. Os registros negativos estão aumentando e a Europa está se tornando progressivamente "um continente cansado e resignado, tão ocupado em exorcizar a solidão e a angústia que não sabe mais como saborear a verdadeira beleza da vida".


 


Promover a cultura da generosidade


Francisco também exortou sobre a urgente necessidade de políticas eficazes e voltadas para o futuro, "semeando hoje para que as crianças possam colher amanhã". Há necessidade de "clarividência", reforçou o Papa ao abordar a segunda palavra-chave, "de um compromisso maior por parte de todos os governos, para ajudar as famílias, as mães e muitos casais jovens a se livrarem do fardo da insegurança no trabalho e da impossibilidade de comprar uma casa. É preciso promover uma cultura da generosidade e da solidariedade entre as gerações, rever hábitos e estilos de vida, renunciando ao supérfluo para dar aos mais jovens uma esperança para o amanhã".


 


E dirigindo-se aos jovens, o Santo Padre destacou a terceira palavra, "coragem", e acrescentou:


 


"Sei que para muitos de vocês o futuro pode parecer inquietante e que, entre a desnatalidade, as guerras, as pandemias e as mudanças climáticas, não é fácil manter viva a esperança. Mas não desistam, tenham fé, porque o amanhã não é algo inevitável: nós o construímos juntos e, nesse "juntos", encontramos primeiramente o Senhor. Não nos resignemos a um roteiro escrito por outros, mas rememos para mudar de rumo, mesmo ao custo de ir contra a maré!"


 


Jovens e idosos juntos


Antes de concluir, de forma espontânea, Francisco destacou "outra parte muito importante" na construção do futuro: os avós. "Hoje existe uma cultura de esconder os avós, mandá-los para a casa de repouso. Agora mudou um pouco devido à aposentadoria, mas a tendência é a mesma: descartar os avós".


 


E ao se lembrar dos tempos em Buenos Aires, quando, ao visitar lares de idosos, muitas enfermeiras lhe diziam que os idosos que estavam hospitalizados ali não tinham parentes que fossem visitá-los, o Papa enfatizou:


 


"Avós sozinhos... Avós descartados... Isso é suicídio cultural. O futuro é feito pelos jovens e pelos idosos juntos; coragem e memória juntas".


 


Escolhas eficazes em favor da família


Por fim, o convite do Santo Padre para "mudar a rota", a fim de que as novas gerações tenham condições de realizar seus sonhos legítimos. Neste momento, alertou o Pontífice, os investimentos que dão mais renda são as fábricas de armas e os contraceptivos. Um destrói a vida; o outro impede a vida", e continuou:


 


"É uma questão de implementar escolhas sérias e eficazes em favor da família, colocar uma mãe na condição de não ter que escolher entre o trabalho e o cuidado dos filhos", concluiu o Papa.


 


 


 


 


Fonte: Vatican News.


Fotógrafo: Reprodução foto Vatican News.


Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.