Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Hoje é celebrada santa Rita de Cássia, padroeira das causas impossíveis
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Hoje é celebrada santa Rita de Cássia, padroeira das causas impossíveis

Ela nasceu em 1381, na Itália, em um momento de conquista, rebeliões e corrupção. Como seus pais, era analfabeta, mas Deus lhe concedeu a graça de ler. Queria ser religiosa, mas seus pais escolheram um esposo e ela aceitou de forma obediente.


 


Seu marido tinha maus hábitos, bebia muito, era mulherengo e a maltratava. Mas, santa Rita se manteve fiel na oração. Tiveram filhos gêmeos que possuíam o mesmo temperamento do pai. Após 20 anos de casamento, o marido se converteu, Rita o perdoou e, juntos, aproximaram-se ainda mais da vida de fé. Um dia, ele não voltou para casa e foi encontrado morto.


 


Os filhos juraram vingar a morte de seu pai e a dor de santa Rita aumentou ainda mais. Nem suas súplicas os fizeram desistir. A mãe aflita rogou ao Senhor para salvar seus filhos e tirar suas vidas antes que eles mesmos se condenassem com um pecado mortal. Assim, ambos sofreram de uma terrível doença e antes de morrer perdoaram os assassinos.


 


Mais tarde, santa Rita quis ingressar na congregação das Irmãs Agostinianas, mas não foi fácil, porque tinha sido casada e por causa da morte sombria de seu marido. Ela se colocou em oração e certa noite ouviu que a chamavam três vezes pelo nome. Ele abriu a porta e encontrou santo Agostinho, são Nicolau de Tolentino e são João Batista, de quem era muito devota.


 


Eles pediram que ela os seguisse e, depois de percorrer as ruas, sentiu que a elevavam no ar e a empurravam suavemente para Cássia até se encontrar em cima do mosteiro de Santa Maria Madalena. Ali, entrou em êxtase e quando voltou a si estava dentro do mosteiro e as religiosas agostinianas não puderam negar mais o seu ingresso na comunidade.


 


Fez sua profissão religiosa no mesmo ano (1417) e foi colocada à prova com duras provações por parte de suas superioras. Santa Rita recebeu os estigmas e as marcas da coroa de espinhos na cabeça. Ao contrário de outros santos com este dom, as chagas dela exalavam um odor ruim e teve que viver isolada por muitos anos.


 


Depois de uma doença grave e dolorosa, partiu para a Casa do Pai em 1457. A ferida de espinho em sua testa desapareceu e no lugar ficou um ponto vermelho como um rubi, que tinha deliciosa fragrância. Seu corpo permanece incorrupto.


 


 


 


Fonte: acidigital


Fotógrafo: Reprodução imagem ilustrativa de ACI Digital.


Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.