Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Lesbos. Voluntária escreve ao Papa: esta Terra é muito pequena para acolher grandes sonhos
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Lesbos. Voluntária escreve ao Papa: esta Terra é muito pequena para acolher grandes sonhos

"Caro Papa Francisco, esta Terra é muito pequena para acolher grandes sonhos como a liberdade, mas o desejo de vida é mais forte do que os muros que a Europa persiste em construir. Não se pode ficar indiferente. O grito dessas pessoas deve ser elevado para o alto."


Esta é uma passagem da carta que Marta, 23 anos, voluntária da Operação Pomba, o Corpo não-violento de paz da Associação Comunidade Papa Giovanni XXIII, escreveu ao Papa Francisco após sua visita à ilha grega de Lesbos no domingo passado, uma das etapas mais significativas da viagem a Chipre e à Grécia concluída na segunda-feira, 6 de dezembro.


Testemunho: ninguém está seguro aqui


Marta está há um mês na ilha de Lesbos, "uma terra - escreve ela na carta difundida na terça-feira - que nos últimos anos tem visto milhares de refugiados desembarcar em suas costas em busca de uma vida digna".


"Aqui, como em outras ilhas do Mar Egeu, foram construídos campos de ‘espera’ para os requerentes de asilo. Estes são campos fechados e controlados, onde as pessoas vivem em condições desastrosas. Eles podem ser comparados a prisões ao ar livre." "Aqui ninguém está em casa. Ninguém está seguro aqui", continua Marta.


Salem, um jovem sírio


Com as graves violações dos direitos das pessoas, que "são perpetradas na fronteira europeia, até as constantes rejeições na Turquia, Lesbos se torna uma terra de confim, uma linha de confim entre uma vida deixada para trás e o forte desejo de construir uma vida nova".


Como a de Salem, "um jovem sírio" que acaba de receber "mais uma rejeição de seu pedido de asilo. Salem está cansado. Está cansado de esperar e de desperdiçar seu tempo. Tempo que ninguém jamais poderá lhe dar de volta. Esse tempo lhe foi negado".


Caminhar "para um nós cada vez maior"


"É necessário - escreve a jovem voluntária - que os Estados se comprometam a proteger os direitos fundamentais de homens, mulheres e crianças, tais como o acesso à assistência médica, apoio jurídico e educação, mas acima de tudo para não perder sua liberdade e dignidade. Mas não podemos ser deixados sozinhos para travar esta batalha."


E depois a conclusão: "Eu sou porque somos. Como o senhor nos lembra, querido Papa, o profundo significado está em acreditar em um vínculo universal de partilha que une toda a humanidade. Eu sou um ser humano, sou uma pessoa na medida em que reconheço a alteridade em sua unicidade e diferença. Devemos caminhar "para um nós cada vez maior" para construir um futuro de justiça e paz. Com afeto. Marta".


(com Sir)


Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2022 Dehonianos. Todos os direitos reservados.