Dehonianos
Notícias da Igreja
 
Presidente da COP 28: reduzir 22 gigatoneladas de emissões até 2030
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Presidente da COP 28: reduzir 22 gigatoneladas de emissões até 2030

Há uma semana foi publicada a Laudate Deum, a exortação que contém o apelo do Papa para responder à crise climática. Na quarta-feira, 11 de outubro, o Pontífice recebeu em audiência o Dr. Sultan Al Jaber, Ministro da Indústria e Tecnologia Avançada dos Emirados Árabes Unidos e presidente da COP 28: um importante encontro que será realizado em Dubai de 30 de novembro a 12 de dezembro e que Francisco indicou como decisivo para uma ação compartilhada antes que seja tarde demais. Nesta entrevista à mídia do Vaticano, Al Jaber explica os objetivos da próxima COP e comenta o conteúdo da exortação.


 Presidente, o senhor poderia descrever brevemente os objetivos da próxima COP em Dubai?


Somos guiados por um único ponto fixo: manter o aumento da temperatura dentro de 1,5 grau Celsius. O primeiro ‘Global Stocktake’ já nos mostrou o quanto estamos longe da direção certa. Precisamos agora reduzir 22 gigatoneladas de emissões até 2030. Ao mesmo tempo, como vemos todos os dias nas notícias, a mudança climática já está nos afetando e temos que nos adaptar a essa mudança. Em última análise, para lidar com as mudanças climáticas, precisamos colocar as pessoas e o planeta no centro do processo climático. Esse processo é imperativo. A Presidência da COP 28 desenvolveu sua Agenda de Ação com quatro pilares principais: acelerar uma transição energética justa e ordenada; fixar o financiamento climático; concentrar-se nas pessoas, na natureza, nas vidas e nos meios de subsistência; e apoiar esse processo com total inclusão. Chegou a hora de unir o mundo e agir em conjunto para oferecer soluções viáveis para a crise climática.


O Papa Francisco publicou recentemente a exortação apostólica Laudate Deum: um grito de alarme antes que seja tarde demais para conter as consequências da crise climática. Qual é a sua opinião sobre esse documento?


Acolhemos o apelo urgente do Papa por mais ações climáticas. Compartilhamos sua esperança de que "a COP 28 levará a uma aceleração decisiva da transição energética". A COP 28 será uma COP de ação. E deve ser. Nossa Presidência está totalmente comprometida em fazer todo o possível para unir as partes, garantir a inclusão, alcançar compromissos e ações claras, e realizar ações climáticas ambiciosas para as pessoas em todo o mundo. Durante minha reunião com Sua Santidade, enfatizei o apreço dos Emirados Árabes Unidos por seu forte apoio à ação climática positiva para promover o progresso humano. Precisamos reduzir as emissões anuais em 43% até 2030 para que seja possível manter o aumento da temperatura dentro de 1,5 grau Celsius. Devemos construir rapidamente um sistema de energia livre de todos os combustíveis fósseis inabaláveis, inclusive o carvão, ao mesmo tempo em que descarbonizamos de forma abrangente as energias que usamos atualmente. Precisamos de uma transição energética rápida, justa e equitativa que não deixe ninguém para trás, especialmente os 800 milhões de pessoas que não têm acesso à energia atualmente. E seria irresponsável desligar a tomada do sistema energético atual antes de construir o novo. Devemos nos concentrar nas emissões, independentemente da fonte, e devemos reconhecer que, em um futuro próximo, haverá muitos combustíveis na matriz energética. Precisamos reequilibrar essa combinação e reduzir as emissões das energias usadas atualmente. Reduzimos as emissões, não o progresso. Um dos principais focos será o progresso tangível que move o mundo real, juntamente com um resultado negociado e ambicioso. Portanto, pedi às empresas de petróleo e gás que reduzissem as emissões de metano e a queima de gás a zero até 2030 e que se alinhassem à neutralidade de carbono até 2050. Ao mesmo tempo, precisamos que todos os setores de alta emissão acelerem a transição e eliminem as emissões. E precisamos que os governos estabeleçam políticas inteligentes para expandir e comercializar soluções, incluindo tecnologias de captura de hidrogênio e carbono.


Em sua exortação, o Papa Francisco faz um breve resumo da história das COP’s, sem esconder sua decepção com o fato de que os compromissos assumidos não foram cumpridos e as emissões nocivas continuam a aumentar. Como a COP 28 pode mudar esse rumo?


A COP 28 busca corrigir o curso, traduzindo promessas em projetos, tendências em transformações e acordos em ações. Lançamos nossa Agenda de Ação com apelos ambiciosos, mas realizáveis, à ação para todos. O Papa está absolutamente certo sobre as promessas do passado que não foram cumpridas e que isso é decepcionante. Precisamos que todas as partes cumpram suas promessas, incluindo um segundo e mais ambicioso refinanciamento do Fundo Verde para o Clima e o financiamento climático anual de US$100 bilhões prometido há mais de 10 anos. O financiamento é a chave que pode desbloquear o atual impasse.


O Papa Francisco lamenta a falta de organizações internacionais que atendam a todos os países - não apenas os maiores e mais desenvolvidos economicamente - para garantir que os compromissos assumidos nas COP’s sejam implementados em várias nações. Ele clama por um novo "multilateralismo de baixo para cima". O que precisa ser feito para tornar esse caminho uma realidade?


A transparência e a responsabilidade são fundamentais para uma ação climática bem-sucedida. A Presidência da COP 28 convidou todas as partes a atualizarem suas contribuições nacionalmente determinadas antes da COP 28 e a buscarem as metas mais ambiciosas possíveis.  Ao mesmo tempo, estamos tentando envolver todos e fazer da COP 28 a COP mais inclusiva de todos os tempos. A realização de nossas ambições climáticas coletivas exigirá ações em todos os níveis da sociedade e estamos tomando medidas para permitir a participação de todos os grupos. Essas medidas incluem o apoio ao maior programa de delegados jovens, 1.000 prefeitos, 200 startups de tecnologia climática, entre outros, bem como a garantia de espaços e pavilhões para todos os grupos, incluindo pessoas que professam a fé, povos indígenas e mulheres.




Em sua exortação Laudate Deum, o Papa Francisco afirma que uma transição ecológica adequadamente gerenciada para fontes renováveis cria empregos. Como os Emirados Árabes Unidos, cuja economia depende muito de combustíveis fósseis, pretendem lidar com essa transição?


Em primeiro lugar, gostaria de corrigir essa percepção errônea. Os Emirados Árabes Unidos são uma nação que está passando por uma transição energética há quase 20 anos. Nossa liderança tem visto a transição energética como uma oportunidade de criar resiliência econômica e contribuir para um desafio global que afeta a todos nós. Hoje, mais de 70% do PIB dos Emirados Árabes Unidos vem de setores fora da indústria do petróleo, uma porcentagem que aumenta a cada ano à medida que os Emirados continuam a se diversificar por meio de outros setores. Estamos bem cientes de que a transição gera empregos, pois já passamos por isso diretamente. Por exemplo, a Masdar está entre as maiores empresas de energia renovável do mundo e tem a meta de quintuplicar sua pegada global de energia limpa para 100 gigawatts até 2030. Os Emirados Árabes Unidos também estão em sexto lugar no mundo em consumo per capita de energia solar. Os Emirados investiram US$50 bilhões em energia renovável em 70 países e se comprometeram a investir mais de US$50 bilhões no país e no exterior na próxima década. Esse é o tipo de meta que estamos incentivando o mundo a adotar para acelerar uma transição energética justa e ordenada e não perder de vista o limite de 1,5 grau Celsius. O progresso dos Emirados Árabes Unidos se deve à sua parceria sincera com parceiros que pensam da mesma forma em todo o mundo. Assumimos a função de sediar a COP com um grande senso de responsabilidade, um profundo senso de humildade e um claro senso de urgência. E estamos determinados a garantir que a COP 28 seja uma plataforma que estimule o progresso por meio da colaboração.






Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 

Copyright © 2024 Dehonianos. Todos os direitos reservados.